Vôo do Beija-flor

Vôo do Beija Flor - Elisa Cristal

sábado, 9 de fevereiro de 2019

O protagonismo feminino na política Norte Americana






Elas, finalmente, ao comemorar os 100 anos do voto feminino, assumem o protagonismo de sua presença na política Norte americana.

Não são modelos hollywoodianos nem tampouco primeira damas belas, recatadas e do lar. São profissionais do direito ou da própria política partidária que defendem sua atuação antes muito modesta nas decisões republicanas ou democráticas do povo dos Estados Unidos.

Pela primeira vez, o Congresso americano alcançou o maior número de representantes do sexo feminino em seu quadro. Comemoraram vestidas de branco em homenagem às sufragistas de 100 anos atrás.  Estão literalmente brigando por um bom lugar ao sol.

Hillary, Michelle, Nancy,  Elizabeth, todas tem em comum a coragem de assumir a própria voz e desafiar história de machismo secular na área política.

Escrevem livros, discursam, concorrem nas eleições presidenciais ou do Congresso, sem abrir mão das suas vidas pessoais, de esposas, mães ou avós.

Conciliam suas lutas políticas com ideais sociais de busca de soluções num país tradicionalmente conhecido por se auto definir por ser uma das maiores democracias e economias do mundo.

Diria que todas, atualmente, são um desafio ao presidente Trump, useiro e viseiro em histórias mal explicadas de deslizes no campo da vida sexual que paga a garotas de programa com verbas de campanha ou uma certa apologia decadente de se casar com ex modelos para exibir silhuetas ou juventude de esposas tipo barbies.

As mulheres na nova política também são bonitas nas suas histórias.

São representantes de etnias diversas, de imigrantes que compõem a sociedade americana do Norte, no Congresso tem jovens, maduras, latinas, mulçumanas, além de negras, mestiças, de origem indígena ou européia.

Nancy, aos 78 anos, católica, mãe de 5 filhos e avó,  preside o Congresso e desafia Donald ao dizer que não apoia a construção do muro na fronteira com o México .

Hillary perdeu nas eleições presidenciais em circunstâncias duvidosas com denúncias de manipulação até com influência russa.

Michelle escreveu um atual best seller com grande chance de ser lançada na vida política partidária.

Agora, Elizabeth acaba de lançar sua própria candidatura às primárias presidenciais.

As fêmeas norte americanas acordaram finalmente para o poder constituído.  Já não era sem tempo.

Milhões de jovens as observam e seguem. Os poderosos donos do poder econômico estão colocando as barbas de molho.

Elas não vão parar ou calar. Vieram com tudo. Estão invadindo os parlamentos, além das ruas, seguem sendo estrelas de cinema cujo roteiro se constrói aquém  de Los Angeles, são as novas protagonistas da história.

As congressistas e políticas que impõem seu discurso ante um mundo tão necessitado de igualdade e justiça!
Cida Torneros

Nenhum comentário:

Postar um comentário