Postagem em destaque

A Paz

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Bate coração


Blog da Mulher Necessária: poemas fêmeos amores efêmeros

Blog da Mulher Necessária: poemas fêmeos amores efêmeros

Camané


Amor: guerra ou jogo? Seriam as mulheres grandes perdedoras ou ardilosas vencedoras?

Blog da Mulher Necessária: Amor: guerra ou jogo? Seriam as mulheres grandes perdedoras ou ardilosas vencedoras?




Amor: guerra ou jogo? Seriam as mulheres grandes perdedoras ou ardilosas vencedoras? 


sábado, 29 de maio de 2010
Amor: guerra ou jogo? Seriam as mulheres grandes perdedoras ou ardilosas vencedoras? 

Estávamos sentados no Caravelas. Almoçando. 
A senhora escritora ( eu), os editores Tomaz e Bárbara, e o jovem poeta, Bruno Graciano, que acabava de lançar na semana anterior, na Bienal de Minas Gerais, seu primeiro livro. Na sua camiseta uma palavra cintilante: sucesso! pensei... o mesmo sucesso que um jogador busca no jogo da vida, o sonho do vencedor, ou seria a vitória do guerreiro? 

Durante a conversa, entremeada de brincadeiras, falou-se sobre o meu novo livro, de contos, cujo título "O contra-ataque do amor", remete à idéia do quanto o tal sentimento humano, animal, Tao selvagem e tão natural pode se transformar, em nossa cultura, num intrincado jogo ou numa guerra incessante que vai oferecendo combates ou esfacelando vítimas abatidas, o papo foi se diluindo em reticências... cada um tem suas próprias histórias de amor ou suas experiências que buscam redefinir sentimentos muitas vezes indecifráveis.

Falamos do papel da literatura, a tal vida que imita a arte e do quanto a vida pode ser muito mais surreal do que a imaginação dos escritores. 
Lembrou-se dos contos bizarros, das desculpas de assassinos para fugirem da condenação, das mentiras de amantes traidores, das ilusões de quem acredita ou deseja ser amado como se fosse um ícone obsessivamente adorado, das doenças emocionais, das atitudes passionais, e no inconsciente coletivo, a tal premissa, do "matar ou morrer", salvar-se , em atitude de legítima defesa. 

Os indefesos da paixão, quem seriam? os jogadores que já entram em campo para perder o jogo? aqueles que se sentem inferiores ao tentar alcançar objetivos ou os que desistem de tanto buscar parceiros pelo caminho e preferem viver de passado ou de saudades?

Era preciso pensar na capa do livro. Falei do meu amigo português, o Telmo Gabriel, que sugeriu uma cama onde houvesse um tabuleiro de xadrez e peças com cabeças femininas e masculinas a disputarem o xeque-mate. 

A idéia é boa. Vamos desenvolver, em poucos dias, talvez dez, porque a Bienal em Sampa, acontece em agosto, e o lançamento do livro, acertamos ontem, será no dia 14, um sábado, no stand da Editora Usina das Letras.

Despedi-me do grupo, rumo a caminhos interiores que me envolvem em verdadeiros labirintos. Pus-me a pensar nas batalhas que já travei e ainda travo em nome do amor. Confesso que muitas vezes me sinto cansada. Mas luto, porque, segundo meus companheiros de juventude, aliás inesquecíveis idealistas de esquerda, "a luta continua".
E, por uma questão de literatura, de escrita, de viver a vida, cá estou, nesta manhã de um sábado outonal, sentindo na pele e na alma, um imenso desejo de amar com maturidade, se isso ainda for possível. 

Ontem, antes do tal almoço, na minha visita semanal ao Arruda, meu terapeuta, refletimos sobre o papel dos homens imaturos na passagem pela vida de mulheres que, como eu, vão amadurecendo, vão se desiludindo, vão asssentando mais os pés no chão, vão, para desencanto dos poetas, endurecendo, emburrecendo, esquecendo os sonhos, vão desviando do coração e do corpo, sentidos antes tão fortes. Mas como diria Che : "hay que endurecer, pero sin perder la ternura, jamás".
Lembrei das tais "tias" solteironas, pensei nas "viúvas" eternas, questionei as "solitárias" convictas, duvidei das "abandonadas" melancólicas , estranhei as "ditadoras" sádicas, interroguei as "poderosas" comandantes, penalizei-me das " enganadas" sabedoras, arrepiei-me pelas "assassinadas" indefesas, estremeci com as "injustiçadas" apedrejadas..."sofri" pelas mulheres "perdedoras" na guerra ou no jogo do amor...

Mas, num momento de lucidez necessária, vibrei com e pelas mulheres que contra-atacam. As que dão a volta, aquelas que amadurecem e vencem as partidas. As que não se deixam partir interiormente, que vão rejuntando cacos. Que sabem colar pedacinhos com a goma da esperança. São as que movem o mundo, criam filhos, sobrevivem, ainda se enfeitam, dançam, fazem comidas gostosas, deixam brilhar os olhinhos olhando a lua no céu, sentem as batidas fortes dos seus corações fatigados, mas permanecem na fé. 

A fé é tudo, no jogo, na guerra, na vida, é tão feminina, a tal fé. Faz crer em dias melhores, em noites mágicas, em paixões possíveis, em amores premiados, em pessoas que virão aos nossos braços, que nos darão um ombro pra acalmar nossos medos e um colo para apaziguar nossos anseios.

Aí, recordei mulheres tão ardilosas que sabem vencer no jogo da vida, porque aprenderam a crer em si mesmas, aceitaram seu papel no mundo, fingem ser manipuladas, praparam inteligentes estratégias, levantam, sacodem a poeira e dão a volta por cima. Na próxima esquina, quem sabe lhes aguarda um troféu ou um pódium?

Talvez nem vençam a corrida, ou nem consigam o título maior, mas terão, sem dúvida, para sempre, o gosto honrado de terem sido bravas jogadoras e corajosas guerreiras. O segredo deve estar no seu talento em contra-atacar, mas eu não tenho certeza disso, e quem garante que venha a ter?

Cida Torneros.

Cuando Me Enamoro


Blog da Cida Torneros: Tornerò (Peppino di Capri) - Song & Lyrics

Blog da Cida Torneros: Tornerò (Peppino di Capri) - Song & Lyrics

Blog da Cida Torneros: Rio 450 anos vou mergulhar nesta festa!

Blog da Cida Torneros: Rio 450 anos vou mergulhar nesta festa!: Rio. Cidade que faz 450 Anos no dia primeiro de março. Tem muita festa. Sou uma carioca que nasceu numa maternidade na Boca do Mato e foi ...




quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

contra-ataque do amor: contra-ataque do amor: Paris, avec amour!

contra-ataque do amor: contra-ataque do amor: Paris, avec amour!: contra-ataque do amor: Paris, avec amour! : Amor tem lugar, talvez, tem vez, hora de suspirar, sonhar em francês!  Assim , quem sabe, o s...

SAUDADES BULLOCK


  10 Coisas que você não sabia  10 Coisas que você não sabia sobre Sandra Bullock

1-Meia/Meia.

A incrivelmente talentosa atriz e produtora, Sandra Annette Bullock, é uma Americana-Alemã de 49 anos – eu sei, não parece, mas ela nasceu no dia 26 de Julho de 1964! Seu pai, John W. Bullock era um oficial do exército americano e em meio período, trabalhava como treinador de voz; já sua mãe, Helga Mathilde Meyer era uma alemã cantora de ópera, fato que garantiu à sua filha, Sandra, que aprendesse a língua alemã.
2-Família no espaço.
Ok, todos nós já ficamos empolgados, surpresos, fascinados, felizes, curiosos e admirados com o último lançamento de Sandra, o longa “Gravidade” – http://cinemacao.com/2013/10/24/podcast-cinemacao-60-gravidade/ e http://cinemacao.com/2013/10/16/critica-gravidade/. O que você não sabia é que o Avô materno da atriz era um cientista de foguetes em Nuremberg, Alemanha – imagine o quão legal seria ter um avô assim. Inclusive, foi nessa estação militar que o pai de Sandra, John, conheceu sua futura esposa, Helga.
3-Pé na estrada!
Como já citei antes, a mãe de Sandra era uma cantora de ópera, por isso, estava constantemente em turnês. A atriz não tinha muita opção, vivia na estrada junto com sua mãe e sua irmã mais nova. Sempre que tinha chance, realizava performances no coro infantil sempre que sua mãe subia ao palco. Este talento para o canto, levou Sandra, em 1993, a interpretar uma personagem aspirante à cantora de Country Music.
4- A separação da mãe do ano!
O ano de 2010 foi cheio de novidades para a Sra. Bullock. Para começar, ela e seu marido na época, Jesse James, anunciaram que haviam procedido com a ideia que eles tinham começado 4 anos antes em adotar uma criança. Louis Bardo Bullock foi morar com o casal em janeiro de 2010, contudo, a atriz achou melhor manter em segredo as novidades até passar o Oscar, em março. O fato é que em abril, Sandra se divorciou após uma suposta traição por parte de Jesse. Mesmo com o desafio de criar um filho sozinha, a atriz foi em frente, e neste mesmo ano foi nomeada como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, pela revista TIMES, e eleita a pessoa do ano, pela PEOPLE.
5-Mais prêmios.
Ok, até agora já sabemos algumas coisas sobre Sandra Bullock, mas será que você realmente está percebendo o tamanho desta estrela de hollywood? Sabe quantos prêmios ela já ganhou? Muito bem, vamos indicar alguns números aqui, só por curiosidade: no período de 1995 a 2013, a atriz já levou para casa nada menos que 45 prêmios – e nem estamos indicando aqui para quantos ela foi indicada. Destes, podemos citar um Academy Awards por melhor atriz, em 2010, no filme “Um Sonho Possível”; dois Hollywood Film Festivals, sendo um por melhor atriz coadjuvante em “A Casa do Lago”, no ano de 2006, e outro como melhor atriz, pelo filme “Gravidade”; e além disso, um fato interessante, Sandra possui um prêmio de pior atriz, isso mesmo, no Razzie Award em 2009!
6-No céu, não! No chão!
Entre as curiosidades que você não sabia sobre esta Americana-Alemã, é o fato de que Sandra é completamente apavorada quando o assunto é voar. Este medo vem de um acidente que ela sofreu no ano de 2000, quando o seu jato estava pousando no Jackson Hole Airport, Myoming, E.U.A. Aparentemente, estava a noite, e os pilotos não conseguiram atingir as luzes na pista de pouso devido a um problema técnico, a aeronave foi parar na grade de segurança e rompeu a ponta do avião, a asa direita, danificou o trem de pouso e dobrou a asa esquerda. Tudo bem, estou convencido de que ela tem motivos de sobra para ter medo de voar!
7-Tudo tem um outro lado.
Aposto que grande parte dos leitores gostaria de ser famoso, ter fãs, ir a programas de TV e dar autógrafos. Contudo, Sandra já passou por algumas experiências não tão boas. O caso mais famoso, seria de Marcia Diana Valentine, que em abril de 2007 foi encontrada deitada na cama ao lado de James (ex-marido da atriz) e Sandra, em sua casa em Orange County. A história não acaba por aí, quando James acordou ele confrontou a fã e, como em uma cena de filme, Marcia foi até o seu carro e tentou atropelá-lo. Com uma ação judicial a fã obsessiva não pôde mais contatar Sandra, muito menos chegar perto dela, de sua casa ou de sua família.
8-1 milhão aqui… 1 milhão ali…
A Sra. Bullock, assim como outros artistas, apóia a caridade. Somente à American Red Cross (Cruz Vermelha Americana), a atriz já doou 1 milhão de dólares pelo menos quatro ou cinco vezes, além disso, doou US$1 milhão em resposta pela tsunami e terremoto que atingiram a India em 2004, em 2010 para o Haiti e 2011 para o Japão, também ambos por causa da destruição devido aos terremotos.
9-Valores.
Já que estamos falando em dinheiro, mais algumas curiosidades: em 2012 a atriz entrou para o Livro Guinness dos Records como a atriz mais bem paga, atingindo a marca espetacular de 56 milhões de dólares. Além disso, um pouco antes, em 2007, Sandra Bullock foi eleita a 14ª celebridade mais rica da indústria do entretenimento, com uma fortuna avaliada em US$85 milhões.
10-Para onde vamos?
Com todas estas curiosidades sobre Sandra Bullock, esperamos que a atriz continue dando o ar da graça em filmes por um bom tempo. Sandra ainda possui uma produtora, em que produziu os filmes da “Miss Simpatia”, o que cria um caminho promissor que pode ser mais explorado. Além disso, a atriz é um ícone de Hollywood e amiga próxima de Nicole Kidman, Renée Zellweger e Meryl Streep. A única notícia de próxima produção que temos, é que em 2015 será lançada a animação “Minions”, em que a atriz dubla uma personagem.

Blog da Cida Torneros: Martinho da Vila - Devagar, Devagarinho + Madalena...

Blog da Cida Torneros: Martinho da Vila - Devagar, Devagarinho + Madalena...

contra-ataque do amor: Laura Pausini - Especial Miguel Bosé (Te Amaré)

contra-ataque do amor: Laura Pausini - Especial Miguel Bosé (Te Amaré)

Blog da Mulher Necessária: Amore mi Sbagliai - Roberto Carlos

Blog da Mulher Necessária: Amore mi Sbagliai - Roberto Carlos

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

El beso en España



sábado, 9 de maio de 2009

La española cuando besa...
EL BESO
(Concha Piquer)
Juan Legido

--------------------------------------------------------------------------------

En España, Bendita Tierra
Donde puso su trono el amor
Solo en ella, el beso encierra
Armonias en ti de Valor
La Española cuando Besa
Es que Besa de Verdad
Y a ninguna Le interesa
Besar por Frivolidad

El Beso, El Beso,
El Beso en España
Lo lleva La hembra
muy dentro del alma
Le puede Ud Besar en la Mano
o puede darle un Beso de Hermano
Asi, la besara cuando quiera

Pero un Beso de Amor....
No se lo dan a Cualquiera

Hermano yo le aseguro,
le ha de causar la mayor emocion
Ese beso, sin ser puro
que va envuelto en una emocion

La Española cuando Besa
Es que Besa de Verdad
Y a ninguna Le interesa
Besar por Frivolidad

El Beso, El Beso, El Beso en España
Lo lleva, La hembra, muy dentro del alma
Le puede Ud Besar en la Mano
o puede darle un Beso de Hermano
Asi, la besara cuando quiera

Pero un Beso de Amor....
No se lo dan a Cualquiera

El Beso, El Beso, El Beso en España (coro)
Lo lleva, La hembra, muy dentro del alma
Le puede Ud Besar en la Mano
o puede darle un Beso de Hermano
Asi, la besara cuando quiera

Pero un Beso de Amor....
No se lo dan a Cualquiera




Domingo, 3 de Maio de 2009
Beijos poemados e premiados

perfumados, prometidos, perseguidos,
os que nem demos ainda...

são aqueles que nos fazem sonhar...
a mim, provocam ganas de poemar...

a ti, que me incitas a pressentir seus gostos,
dão o tom das nomeações...epidêmicos, perdidos,
reencontrados, emudecidos, estalados, molhados,
tímidos ou audaciosos, parisienses, brasileiros...

com quantos deles se faz um amor que se inicia?
ou qual terá sido o número fatal dos beijos de amores
que a história guardou para sempre na memória dos poetas?

beijos, somente beijos, eternos beijos de paixão,
trocados em momentos inesquecíveis, ainda que roubados no tempo...

beijos calmantes, beijos alucinantes, beijos sobreviventes de guerras
beijos imaginados e nunca dados, beijos devolvidos em cartas que voltaram
beijos de mulheres desiludidas, beijos de homens angustiados,
beijos de fêmeas felizes e de machos amados, beijos reais, beijos virtuais...

beijos com sabor de sonhos, beijos com gosto de aventura, beijos proibidos,
os permitidos pela vida, os camuflados pelo adeus, os decididos pela razão,
até os cuspidos pelo arrependimento, todos valem seu existir em lábios oferecidos,
violados, entregues, fugitivos, fechados, abertos, beijos escapantes,
de bocas que exalam sentimentos enredados como nós tão intrincados,
lábios que podem até apascentar corações revoltosos ou descompassados...

teus beijos me virão buscar qualquer dia desses, em qualquer lugar do mundo,
sei deles porque os antecipo, os aguardo e os calo, vou acalentá-los, senti-los...

depois, nada mais me fará poetar que não seja com a aura deles, seu gosto e perfume,
teremos atingido o nirvana dos beijos que a felicidade guardou para nós, um prêmio


Susaine. Gaiteira galega


Blog da Mulher Necessária: Carmen Paris, dedicado à leitora do Blog, Márcia!

Blog da Mulher Necessária: Carmen Paris, dedicado à leitora do Blog, Márcia!

Coluna Reta ou corpo reto?


CHEN TAIJIQUAN (TAI CHI CHUAN): AULAS
Eduardo Molon
Aulas
Contato
RIO DE JANEIRO
Estilo Chen
Mestres
Ensinamentos
(21) 98571-8080
Seminários
Assinar
Índice
Agradecimento
Português
English
Coluna reta, ou corpo reto?
por Eduardo. Tempo médio de leitura: cerca de 2 minutos.
« Anterior Próximo »
A forma da coluna vertebral durante a prática do Taijiquan (tai chi chuan) é um dos conceitos que mais causa confusão no inicio do aprendizado. A confusão só é aumentada pelo desconhecimento da anatomia da coluna e dos princípios básicos do Taijiquan (tai chi chuan).
Em poucas palavras: a curvatura fisiológica da coluna deve ser respeitada durante a pratica do Taijiquan (tai chi chuan). É errado tentar fazer com que a coluna, ou parte dela, fique reta.

Anatomia da coluna

A coluna vertebral tem quatro curvas fisiológicas: a lordose cervical, a cifose torácica, a lordose lombar, e a cifose sacral. Todo ser humano saudável tem estas curvas, a partir de uma certa idade – pois elas se estabelecem algum tempo após a criança ter aprendido a andar e ter adotado a postura ereta.
As próprias vértebras são classificadas pelas suas características principais, que são função da sua posição na coluna. Por exemplo: as vértebras tem dois “bracos” laterais, chamados processos transversos. Na extremidade destes processos estão as facetas articulares, que se articulam com as mesmas facetas da vértebra acima e da abaixo. Para compreender, basta abrir seus braços para os lados, as suas mãos são o equivalente das facetas articulares. O ângulo das facetas varia conforme a posição da vértebra na coluna (é como se você girasse um pouquinho suas palmas para cima ou para baixo). Só isto já seria suficiente para demonstrar que a coluna desenvolveu-se por milhões de anos até chegar à sua forma atual.
Além disso, as vétebras têm uma protuberância longa que se projeta para trás, chamada processo espinhoso. É isto que você vê quando olha uma pessoa de costas, e observa sua coluna. Os processos espinhosos saem de cada vértebra num ângulo específico, que varia com a posição da vértebra na coluna. Assim, as vértebras empilham-se e encaixame-se perfeitamente, e a coluna tem sua forma e curvaturas naturais.


Desvios posturais

Quando alguém diz, portanto, “meu medico falou que eu tenho lordose”, na verdade esta pessoa quer dizer que tem hiperlordose (em geral lombar), pois todo ser humano tem lordose.
Há dois desvios simples das curvaturas da coluna: o excesso de curvatura (hiperlordose ou hipercifose), e a retificação da curvatura. Basta conversar com um Ortopedista ou com um Fisioterapeuta, qualquer profissional destas áreas lhe dirá que a retificação de uma curvatura da coluna é um desvio, algo que não é saudável e que requer tratamento.

Como é a coluna durante o Taijiquan (tai chi chuan)

Como seria de se esperar, a resposta é simples: o Taijiquan (tai chi chuan) respeita a curvatura natural da coluna. Repare que a instrução para adotar a postura correta é “mantenha o corpo reto”, e não “mantenha a coluna reta”. Manter o corpo reto significa não inclinar-se para a frente ou para trás, seja com todo o corpo ou com parte dele.

Princípios

O princípio organizador fundamental no Taijiquan (tai chi chuan) é a naturalidade. Portanto, a fisiologia e a forma natural da coluna devem ser respeitadas. Para que a coluna esteja nesta condição, o quadril deve ser posicionado corretamente.

Você pode comentar este artigo enviando-me um email ou através do Twitter, ou do Facebook. Eu responderei aqui logo que possível.
Busca Chen Tai Chi Chuan

BUSCA

RECURSOS
Livros
Videos
Cultura
CONTATO
Página de Contato
Site Pessoal
Acupuntura
VEJA TAMBÉM
Distrai-me
Convidados
na Mídia
    WCTA-BR

TAI CHI CHUAN¹TAI CHI CHUAN²LINKSGOOGLE+Exoneração • Privacy • © 2004-2011 Taijiquan Pro: plágio é Karma mau.

contra-ataque do amor: Blog da Mulher Necessária: A Mulher em Mim-Roberta...

contra-ataque do amor: Blog da Mulher Necessária: A Mulher em Mim-Roberta...: Blog da Mulher Necessária: A Mulher em Mim-Roberta Miranda(LA)

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Blog da Mulher Necessária: Sabes mentir

Blog da Mulher Necessária: Sabes mentir

Only love


Perder o Amor


Perdere L'amore (tradução) / Lara Fabian

Perdere L'amore (tradução)
Lara Fabian


Vídeos
E adesso andate via
Voglio restare sola
Con la malinconia
Volare nel suo cielo
Non chiesi mai chi eri
Perche sceglesti me
Me che fino a ieri credevo fossi un re
Perdere l'amore, quando si fa sera
Quando fra i capelli un po d'argento li colora
Rischi d'impazzire, puo scoppiarti il cuore
Perdere l'amore e avere voglia di morire
Lascia mi gridare rinegare il cielo
Prendere a sassate tutti i sogni ancora in volo
Li faro cadere ad uno ad uno
Spezzero le ali del destino
E ti avro vicino
Comunque ti capisco
E ammetto che sbagliavo
Facevo le tue scelle
Chissa che pretendevo
Adesso che rimane
Di tutto il tempo insieme
Una donna troppo sola
Che anchora ti vuol bene
Perdere l'amore, quando si fa sera
Quando sopra il viso, c'è una ruga che non c'era
Provi a raggionare fai l'indifferente
Fino a che ri accorgi che non sei servira a niente
E vorresti urlare, soffocare il cielo
Sbattere la testa mille volte contra il muro
Respirare forte il suo cuscino
Dire e tutta colpa del destino
sen tiu vicino
Perdere l'amore, maledetta sera
Che raccoglie i cocci di una vita immaginaria
Pensi che domani e un giorno nuovo
Ma ripeti non me l'aspettavo
Prendere a sassate tutti i sogni ancora in volo
Li faro cadere ad uno ad uno
Spezzero le ali del destino
E ti avro vicino
Perdere l'amoreE agora, Você foi embora
Eu quero ficar só
Com a melancolia
Voar em seu céu
Eu nunca perguntei o que
Porque você me escolheu
Eu que até ontem
Eu acreditei que fosses um rei

Perder o amor
Quando se faz noite
Quando entre os cabelos um pouco de cinza os colore
Risco de enlouquecer
É capaz estourar o coração
Perder uma mulher
E ter o desejo
De morrer
Permita-me gritar
Negar o céu
Levar a sopros
todos os sonhos em vôo
Os farei cair de um a um
Quebrarei as asas do destino
E o terei por perto

Porém eu o entendo
E admito que eu estava errada
Fiz você conhecer suas escolhas
que eu havia fingido
E agora o que resta
Do tempo inteiro juntos
Uma mulher muito só
Que ainda te ama

Perder o amor
Quando se faz noite
Quando sobre a face há uma ruga que não havia
Você tenta argumentar
Tornar indiferente
Até perceber que isso tudo
Não serviu pra nada
Você vai querer uivar
Sufocar o céu
Bater a cabeça mil vezes
contra a parede
Respirar forte em seu travesseiro
Dizer é tudo culpa do destino
Se eu não o tenho perto
Perder o amor
Maldita noite
que recolhe a ilusão
de uma vida imaginária
Você pensa que amanhã é um novo dia
Mas repete e você não esperava
Não esperava

(solo)

Levar a sopros
todos os sonhos em vôo
Os farei cair de um a um
Quebrarei as asas do destino
E o terei por perto

Perder o amor

contra-ataque do amor: Perder um amor

contra-ataque do amor: Perder um amor

contra-ataque do amor: perdere l'amore

contra-ataque do amor: perdere l'amore:   Napoletano ,   Italiano   →   Massimo Ranieri   →   Perdere l

Ontem, o ano começou pra valer, no Brasil!



Acabou o carnaval e as aulas Recomeçaram.  Voltaram os congestionamentos.  Lá, se foi mais um período  de ferias de verão e ca estamos nos os brasileiros retomando  o dia a dia.  Cuidar da saúde.  Reorganizar  agendas.  Reordenar emoções  e viver o tal 2015 com fe.  Sem Ela seria impossível seguir.
Problemas a vista.  Dificuldades para energia e abastecimento de agua.  Grana curta.  Projetos adiados. Sentimentos embotados.  Decepções  aos borbotoes.  Mundo de ventre virado.  Poucas alegrias e muitas causas para cansaços crônicos.

Cansei de acreditar em olhares sentimentais. Só  vejo interesse  ou falsidade Neles.

E Cansei de me olhar no espelho.  Já  não  me reconheco. Parece que ando fugindo de mim.

Entretanto,  ja que 2015  começou,  vou vive lo enquanto conseguir.

CidaTorneros 

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Blog da Mulher Necessária: Entre os monges do Tibet, Lobsang Rampa

Blog da Mulher Necessária: Entre os monges do Tibet, Lobsang Rampa

Encontrando Forrester


Blog da Cida Torneros: michel Sardou Le privilège

Blog da Cida Torneros: michel Sardou Le privilège

Análise do filme encontrando Forrester




análise do filme: “encontrando forrester"
Análise do Filme: “Encontrando Forrester"
1Tereza Trin · Belo Horizonte, MG
26/2/2010 · 2 · 0
por Tereza Trindade

“Encontrando Forrester” é um longa metragem que retrata a história de um adolescente negro, morador do subúrbio de uma cidade norte-americana, que vê sua vida mudar ao conhecer um famoso escritor que se está há muito tempo enclausurado em seu próprio mundo. Quando recebe um convite para estudar e jogar basquete em uma escola particular, vão aparecendo as dificuldades e os desafios de viver em uma sociedade preconceituosa.

Trecho 1
Professora: Em 1 845, Poe escreveu sua obra mais famosa, "O Corvo"... poema que escreveu sob o efeito de cocaína e obcecado com a morte. [...] Baltimore Ravens: o único time com nome de um poema clássico. Alguém já o leu? "Numa temível meia-noite ponderava eu, fraco e cansado..."Jamal, que tal?
Jamal - Não, nunca li.
Trecho 2
Professora - Sra. Wallace, Jamal tem média C. [...] Ou seja, faz só o necessário, nada para se destacar.
Comentário trecho 1 e 2
A professora de Jamal acredita que ele é capaz de mais do que a escola pode oferecer, mas sabe que ele não se esforça como poderia. No entanto, não estimula todos os alunos, pois Jamal não era seu único aluno. O professor deve considerar a todos os alunos e não só os que destacam em alguma habilidade ou competência. Deve ser feito um esforço para acompanhar e entender a diversidade dos sujeitos.

Trecho 3
Claire Spence - Os professores daqui não gostam tanto assim de participação dos alunos. Preferem ouvir a si próprios.
Comentário trecho 3:
A amiga de Jamal faz uma caracterização do típico professor que é o centro da escola, ou seja, não se importa com a aprendizagem dos alunos desde que os alunos o “acompanhe”.

Trecho 4
Robert Crawford - Hoje de manhã... vi o relatório que sua antiga escola enviou. Notas do teste: impressionantes. Desempenho nas aulas... nem tanto. Esse é... o nível de trabalho que devo esperar, Sr. Wallace?
Porque, se for... me ajudará a determinar se devo tratar o senhor como aluno...ou como alguém que está aqui só para empreender...Como posso dizer? Outras atividades? O seu trabalho lhe dará a oportunidade de responder.
Trecho 5
William Forrester - Agora, quanto a esse... seu professor. Como se sentiu quando ele disse o que você não podia fazer? Então mostre o que pode fazer.
Trecho 6
Robert Crawford – Não,, Sr. Wallace. A questão, no caso de seus trabalhos recentes... não é se eles são bons. É se não são bons demais. A rapidez do seu progresso... de sua antiga escola para esta, é insólita. A ponto de me levar a escolher entre duas conclusões.
Ou o senhor foi abençoado com um dom que se manifestou de chofre... ou.. .está obtendo inspiração em outro lugar. Tendo em vista sua educação anterior e o seu passado... sei que me perdoará por tirar minhas próprias conclusões.
Jamal - Eu escrevi esses textos, cara!
Robert Crawford - Então, não se importará em provar. O próximo trabalho
é para daqui a 1 5 dias. Reservarei tempo para que venha à minha sala. Quero que faça o trabalho lá.
Trecho 7
William Forrester-[...] Apenas lembre-se: professores que amargam frustração...podem ser muito eficazes ou muito perigosos.

Comentário trechos 4, 5,6 e 7:
Esta fala e outras atitudes desse professor revela um Típico professor preconceituoso que não demonstra interesse pelo que o aluno é capaz de fazer, se não faz parte de uma classe social de status. O preconceito racial e social não permite que o professor seja capaz de perceber o grande potencial de Jamal, fazendo com que o mesmo se feche a qualquer possibilidade de admitir que os trabalhos e textos produzidos por esse aluno possam mesmo ter sido produzidos por ele. Ao mesmo tempo não respeita seus alunos, como se somente ele, o professor fosse o detentor do conhecimento, além disso, promove uma educação bancária e não se preocupa com uma metodologia que possibilite a construção do conhecimento.


Trecho 8
William Forrester - Por que o que escrevemos para nós...é sempre melhor do que aquilo que escrevemos para os outros? [...] a primeira versão você escreve com o coração; a segunda com a cabeça; o segredo para escrever? Escrever.
Comentário trecho 8:
William começa a ensinar Jamal através do estimulo, da satisfação e não pela obrigação de aprender. Forrester representa o papel do mestre, do orientador e do conselheiro, instigando Jamal a aperfeiçoar a escrita, estimulando o crescimento intelectual e, além disso, o protegendo diante das ameaças de uma sociedade preconceituosa e racista.

Trecho 9
Técnico - Se isso se repetir, vão disputar vaga no time no arremesso livre. [...] Entenderam? Entenderam? [...] Foi das coisas mais incríveis que já vi na quadra. Por que sei que nenhum dos dois ficou satisfeito? Vão tomar banho e dêem o fora daqui!
Comentário trecho 9:
O professor é autoritário e resolve a falta de afinidade dos alunos com penalidades, ou seja, ele acha que está sendo justo e eficaz, mas esquece os motivos pelo qual acontece a divergência entre os meninos, desconsidera também que o fator social influência em muito no relacionamento dos alunos, não sendo necessário, nem justo reforçar a competição entre eles.

Trecho 10
Professor Carl - O garoto vai bem na minha aula. E tinha boas notas quando começou. Talvez só lhe faltasse orientação.
Comentário trecho 10:
O professor reconhece o valor e as potencilidades do aluno, e percebe que Jamal precisava de orientação.

Trecho 11
Dr. Spence - Como se sente no seu primeiro jogo no Garden?
Jamal - Foi antes do que eu esperava.
Dr. Spence - Por isso achei que era bom conversarmos. Sei que é duro fazer as matérias e treinar como você treina. Eu não agüentaria, garanto. Não nesta escola. Talvez tenhamos sido injustos ao pedir isso. Conversei com outros membros do conselho e com Crawford...e...a verdade é que não queremos ir adiante com isto. Portanto, tenho uma proposta: vamos esquecer tudo. Seu horário será menos árduo ano que vem.
Jamal - Crawford quer isso?
Dr. Spence - Ele quer o melhor para você e para a escola. E o que eu devo fazer? Trazer o troféu deste campeonato. Faça isso acontecer, que eu cuido do resto. Certo? Vá concluir o que veio fazer aqui.
Comentário trecho 11:
Este trecho revela o interesse da escola particular em Jamal, uma vez que o conselheiro, resolve fazer uma proposta a Jamal: em troca da bolsa de estudos, ele deveria trazer o troféu para a escola, ou seja prestígio, mas não o acadêmico. Esta fala desconsidera as possibilidades de Jamal enquanto educando, é só mais um meio da escola ganhar com o assistencialismo e não promover uma mudança de fato, o aluno é só um objeto de troca que deve dar “lucro”.

Filmografia:
Encontrando Forrester (Finding Forrester). Direção: Gus Van Sant. Produção: Sean Connery, Lawrence Mark e Rhonda Tollefson. Roteiro: Mike Rich. Elenco: Sean Connery; F. Murray Abraham; Robert Brown e outros. Estúdio: Columbia Pictures Corporation. Distribuição: Columbia Pictures /Sony Pictures Entertainment .EUA, 2000. (135 min)
Texto Disponível em: http://terezatrindade.blogspot.com/2010/02/analise-de-trechos-do-filme-encontrando.html

Sobre a obra

Esse texto faz uma análise do Filme "Procurando Forrester" a luz da proposta educacional.

tags

Belo Horizonte MG textos-nao-ficcao educacao cinema sala-de-aula
compartilhe

Share on twitterShare on facebook Share on delicious

informações

Autoria
Tereza Maria Trindade da Silva
Ficha técnica
Silva, Tereza Maria Trindade da . Análise de trechos do Filme: “Encontrando Forrester”.Disponível em: http://terezatrindade.blogspot.com/2010/02/analise-de-trechos-do-filme-encontrando.html

Quizas, Quizas, Quizas. Andrea Bocelli e Jenifer Lopez


Habanera


O Amor


Onde Deus possa me ouvir


Oscar 2015


sábado, 21 de fevereiro de 2015

Exposicao de Kandinsky no CCBB no Rio vai até 28 de março





Exposição de Kandinsky entra


em cartaz na Cidade Maravilhosa

Após uma temporada de dois meses em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília, com mais de 243 mil visitantes, a mostra Kandinsky: Tudo Começa Num Ponto chega ao CCBB do Rio de Janeiro. Entre 28 de janeiro e 28 de março, a exposição, inédita na América Latina, pode ser visitada de quarta a segunda, das 9h às 21h. A entrada é franca.

Depois segue para Belo Horizonte e termina sua passagem pelo País, na cidade de São Paulo.

A trajetória e as ideias do artista russo Wassily Kandinsky, criador do movimento conhecido como abstracionismo, A exposição mais de uma centena de obras e objetos do artista, seus contemporâneos e suas influências.

O público pode conhecer melhor o raciocínio do artista e suas referências iniciais. Suas obras são colocadas lado a lado com as de seus contemporâneos, além de raridades da arte popular do norte da Sibéria e objetos de rituais xamânicos. Com curadoria de Evgenia Petrova e Joseph Kiblitsky,  a base da exposição é formada pela coleção do Museu Estatal Russo de São Petersburgo, com obras de mais sete museus.

O público ainda pode vivenciar os conceitos do artista russo em uma sala de imersão sensorial interativa.

Confira algumas obras abaixo:


1 / 10

Amazona com leões azuis | 1918 | Óleo sobre vidro | Museu Estatal Russo | © Kandinsky, Wassily, / AUTVIS, Brasil, 2014.

Para entender melhor sobre o legado artístico de Kandinsky leia a matéria publicada na edição número 89 da Revista Brasileiros.

Serviço – Kandinsky: Tudo Começa Num Ponto chega ao Rio de Janeiro
Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro – Rua Primeiro de Março, 66, Centro – Rio de Janeiro/ RJ
(21) 3808.2100
De 28 de janeiro a 30 de março

Tags: Agenda!B, arte, Kandinsky: Tudo Começa Num Ponto, Rio de Janeiro, Wassily Kandinsky

La violetera


Sara Montiel, a Maria Antonia



Sara Montiel (1928-2013), a vendedora de violetas que triunfou em Hollywood
SÉRGIO C. ANDRADE 08/04/2013 - 18:24
A actriz de Vera Cruz e de A Última Copla foi um ícone da beleza hispânica no cinema americano. Mas acabou por preferir a música ao cinema.

A diva, o mito erótico, o expoente da beleza hispânica, a primeira espanhola a triunfar em Hollywood... As notícias dos jornais e agências repetem-se nas referências a Sara Montiel, a actriz e cantora que ontem morreu na sua casa de Madrid, menos de um mês após ter celebrado os 85 anos.

Dois filmes — Vera Cruz (1954) e A Última Copla (1957) — fazem também o pleno das referências à biografia simultanemente cinematográfica e musical de “Sarita” – como era também conhecida. O primeiro é um clássico do western realizado por Robert Aldrich, em que contracena com Gary Cooper e Burt Lancaster, e que haveria de impor o nome de Sara Montiel em Hollywood. A Última Copla, um musical de Juan de Orduña, em que a actriz se afirma também como cantora, afirmar-se-ia o maior êxito do cinema espanhol, tendo estado mais de um ano em exibição.

Em Hollywood, depois de ter feito de mexicana no filme de Aldrich, Sara fez de índia em A Flecha Sagrada (1957), de Samuel Fuller (com Rod Steiger). E, no mesmo ano, A Rapariga das Violetas, de Luis César Amadori, de novo a cantar as vidas difíceis na sua Espanha natal.

Jorge Silva Melo começou a ouvir falar de Sara Montiel em casa, com o pai a citar repetidamente “as aventuras e desventuras daquela rapariga que perde a voz, o Raf Vallone a olhar para ela quando ela cantava ‘en Madrid aparecen las violeteras’”, recorda o realizador e encenador em depoimento via email. “Até que um dia vi La Violetera e, meus caros amigos, que belíssimo filme, que belíssima interpretação, que actriz, que personalidade. (...) E dei razão ao meu pai: Sara é inigualável, um milagre de indolência, trabalho, intensidade”, continua o encenador dos Artistas Unidos.

Durante três décadas, entre Espanha, México e Hollywood, Sara Montiel construiu não só uma carreira, mas também uma imagem, essencialmente fundada no melodrama, que o jornalista Víctor Núñez Jaime, do El País, vê como “metáfora inequívoca de uma certa Espanha dos anos 50, 60 e 70”. Na “Meca do cinema”, ia contracenando e privando com os grandes nomes da Sétima Arte — de Vincent Price a Joan Fontane, de Mario Lanza a Frank Sinatra, de Marlon Brando a Greta Garbo... E com o realizador Anthony Mann (Serenata, 1956), que se tornaria no primeiro dos seus quatro maridos.

Em entrevista à rádio espanhola Onda Cero, agora citada pela AFP, Sara Montiel descreveu o seu encontro com a diva do cinema mudo, que um dia lhe apareceu em casa para jogar ténis com Anthony Mann e os amigos: “Ela estava no meu jardim, e aproximou-se. O meu marido disse-me: ‘Antonia [o nome verdadeiro da actriz, sendo María Antonia Abad Fernández], vou apresentar-te Greta Garbo. Eu quase desmaiei! Vi essa mulher, os olhos tão misteriosos, tão belos, que nunca mais esqueci. Olhos de um azul do deserto, como os de Gary Cooper”.

Apesar deste fascínio todo por Hollywood, Sara Montiel acabou por preferir a música ao cinema, que haveria de abandonar em 1974, depois de uma carreira de meia centena de títulos. “Em todo o lado, A Última Copla caía como uma avalancha e triunfava. Num caso destes, quem é que quereria voltar a fazer de índia?”, disse a actriz-cantora em entrevista ao El País, em Outubro, explicando por que preferiu a música.

Os dez centímetros de maquilhagem que cobriam a sua pele eram (e ela sabia-o) perfeitos para as câmaras de televisão que não paravam de a filmar e de dar dela a imagem que ela queria, espanhola, malandra, linda, linda.

Jorge Silva Melo, realizador português
Continuou a fazer concertos e espectáculos por todo o mundo. Mas transportando sempre o rasto do cinema. Como quando, em 1992, esteve na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, trazida por João Bénard da Costa, para acompanhar a exibição de La Violetera. Uma sessão “inesquecível”, assim recordada por Jorge Silva Melo. “Já teria uma certa idade (sessentas...), mas os dez centímetros de maquilhagem que cobriam a sua pele, as pestanas postiças, o cabelo penteado, se eram deprimentes para quem a via ao pé, eram (e ela sabia-o) perfeitos para as câmaras de televisão que não paravam de a filmar e de dar dela a imagem que ela queria, espanhola, malandra, linda, linda. Foi nessa sessão que, com raríssima inteligência que a todos nos deixou gelados, ela disse: ‘Os meus filmes não serão bons, nunca me preocupei com eles serem ou não uma obra de arte. A obra de arte que eu quis fazer sou eu, Sara Montiel!’”

Essa presença e autoconfiança era a expressão de uma mulher de grande energia, que ainda em Outubro dizia, na entrevista ao El País: “Na Primavera, vou fazer concertos, mas em Dezembro e Janeiro não faço nada.

50 Tons de cinza


O sadomasoquismo e uma prática saudável?




Comportamento »
O sadomasoquismo é uma prática saudável?
Esse fetiche sexual, que alavancou a venda do livro Cinquenta Tons de Cinza, tem mexido com a imaginação do público que está lotando as salas de cinema para assistir à versão de Hollywood para a obra de E. L.


Fernanda Nazaré - Redação
Publicação:20/02/2015 09:17


A jovem universitária Anastasia Steele, vivida pela atriz Dakota Johnson, se deixa levar pelos fetiches sadomasoquistas de Christian Grey, interpretado por Jamie Dornan no filme Cinquenta Tons de Cinza
SAIBA MAIS...0
Conheça o mecânico mineiro que anda pela rua vestido de mulher
Hétero, casado, tem duas filhas e é drag queen
Segundo pesquisa, Gerard Piqué é o homem mais desejado para uma noite de sexo
Apenas no primeiro fim de semana de exibição, o filme Cinquenta Tons de Cinza, baseado no romance erótico de E.L. James, já atingiu a marca de 1,7 milhão de espectadores no Brasil. Com isso, somos o quarto país no ranking de público, contribuindo com US$ 8,9 milhões com a arrecadação das bilheterias nacionais, ficando atrás apenas do Reino Unido, da Irlanda, da Alemanha e da Rússia.

O tema tratado no longa é polêmico – o sadomasoquismo – e o sucesso já era esperado. Afinal, a triologia de livros que conta o relacionamento entre um bilionário e uma jovem universitária vendeu mais de 100 milhões de cópias em todo o mundo.

Sites especializados em crítica de cinema se dizem desapontados com a "leveza" com que a relação entre a apaixonada Anastasia Steele (Dakota Johnson) e o sadomasoquista Christian Grey (Jamie Dornan) foi abordada. Porém, cenas de sexo e de submissão não faltaram. Será que o filme está fazendo com que o público deixe aflorar seus fetiches, mesmo que sem perceber?

Para o psicanalista italiano radicado no Brasil, Contardo Calligaris, em sua coluna na Folha de S. Paulo, ter fetiches e praticá-los é mais do que normal: "é trivial", diz. Segundo ele, muitos podem ter se enxergado nos personagens, encarando as próprias "perversões", que nunca tiveram coragem de tornar real.


Após uma semana em cartaz, Cinquenta Tons de Cinza já levou quase 2 milhões de pessoas aos cinemas no Brasil

Mas, para o psicólogo Maurício Damasceno, o que atrai o público não é o sadomasoquismo em si, mas o fetiche natural do ser humano em assistir atos de violência. "Assisti Cinquenta Tons de Cinza e me lembrei do que Freud dizia: 'Não se pode desconectar a dor e o prazer'. Por pior que seja essa afirmação, é assim que a psicanálise vê a questão. E nossa cultura não está preparada para isso", explica.

Ainda de acordo com o especialista, as pessoas vivem relações parecidas com as do filme, e não apenas com relação ao lado sexual, mas também no que diz respeito ao sadismo vividos em outros ambientes, como no trabalho, na escola ou mesmo no círculo familiar. "Muitos fazem isso, em várias esferas; torturando ou humilhando o outro a partir das pequenas coisas. Existe também aquele que se põe à disposição desse sofrimento, que é considerado masoquista. Mas, tudo isso funciona de forma inconsciente. O amor, o prazer e a dor estão presentes em nossas estruturas e caminham juntos", afirma.

Em sua coluna, Contardo Calligaris explica que para se ter o desejo de sadomizar alguém ou ser sadomizado, não é preciso ter sofrido algum abuso na infância, como sugere o personagem Christian Grey.  "A ideia é de que Grey seria 'torto' por que foi abusado na infância e na adolescência – como se fosse necessária uma explicação que o absolvesse de suas fantasias. Não é preciso. As fantasias sadomasoquistas, além de não constituírem um transtorno, são mais do que normais: são triviais", diz o psicanalista e articulista.

Então, qual o limite saudável para se praticar o sadomasoquismo? "Aquilo que o sujeito puder suportar sem ferir sua personalidade e que consiga lidar com isso em sua vida", completa Maurício Damasceno.

Amor I love you


quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Lama padma samten entrevista dezembro 2014 Revista epoca


EnsinamentosNa mídia 01/12/2014
Entrevista com Lama Padma Samten na revista Época Negócios


“Temos um iceberg na nossa frente. É melhor entendermos isso.”

por Ariane Abdahllah (fonte)

Antes de se tornar um líder budista, Lama Padma Semten era Alfredo Aveline e, entre 1969 e 1994, foi professor de física na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em seus estudos pessoais desse período, no entanto, debruçava-se sobre uma física não exata, a física quântica. Trata-se da teoria que estuda as menores partículas do universo e que é considerada “não intuitiva”, já que leva em conta não só fórmulas, mas também a expressão material dessas fórmulas. Muito complicado? Um exemplo: temos a sensação de viver sobre um planeta plano, apesar de vivermos em um mundo de forma arredondada. A física quântica considera em suas teorias essa percepção humana, mesmos sendo inexata e variável.

Avelino fazia relação entre esse tipo de raciocínio e o pensamento budista. E, enquanto ministrava as aulas, mergulhava também nos estudos religiosos. Em 1986, fundou o Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB), com sede em Viamão, no Rio Grande do Sul, e centros de prática espalhados pelo país. Em 1993, tornou-se discípulo do lama (título que significa líder) tibetano Chagdud Tulku Rinpoche. Três anos depois, ele mesmo foi ordenado lama, sacerdote e professor.

Hoje, lama Padma Samten viaja pelo Brasil para oferecer palestras, retiros, estudos e práticas que associam os ensinamentos budistas e o treinamento da mente às questões da vida cotidiana e aos estudos nas áreas de educação, psicologia, economia, administração, ecologia e saúde. Já foi chamado por grandes empresas brasileiras para palestrar diante de centenas de executivos. Nenhuma delas, porém, autoriza a divulgação de seu nome.

Padma Samten conversou com NEGÓCIOS sobre momentos de crise econômica e de recursos, sobre sustentabilidade e como a prática da meditação e dos ensinamentos budistas podem ajudar na resolução de conflitos cotidianos.

Quando é convidado por grandes empresas para oferecer palestras, qual é sua impressão sobre os executivos brasileiros?

O primeiro encontro que tive com empresários foi em Salvador, na Bahia, durante o congresso de uma organização. Pensei que fosse encontrar gente fechada e focada em dinheiro. Mas que nada. Em geral, eles tinham uma visão ampla. As perguntas deles eram: “Como fazer essa visão funcionar dentro da empresa?”. Eles são superinformados, inteligentes, interessantes e abertos. Mas, quando estão dentro das organizações, têm dificuldade em levar essa abertura para lá. Isso é recorrente.

Que visão exatamente eles querem levar para as empresas, mas não conseguem?

A visão dos ensinamentos budistas aplicadas à administração, que apresento nessas palestras. Começo falando sobre a nossa relação com o mundo externo. Geralmente, estamos prestando mais atenção ao aspecto grosseiro da vida, isto é, ao corpo físico e aos fatos externos. Então, esses temas passam a dominar nossa mente, nossas emoções e nossos projetos. Se estudar a história dos cientistas, por exemplo, você encontra uma sucessão de diferentes visões que aparecem e substituem as anteriores ao longo do tempo. Qual a razão para cientistas brilhantes terem desenvolvidos visões que se relevam tão frágeis? Muitos físicos estudam o mundo externo e chegam a conclusões que parecem vir de uma observação direta da realidade, que seria o mundo grosseiro. Mas os estudos dependem do mundo interno em que o próprio cientista está trabalhando.

Isso é física quântica?

Sim. Um exemplo corriqueiro: todos temos a sensação de que Sol se levanta a Leste e se põe a Oeste. Mas todos sabemos que é a Terra que gira e proporciona essa visão. E, mesmo sabendo disso, continuamos tendo a outra sensação. Isso mostra que são muito penetrantes os efeitos das disposições internas sobre o que o que chamamos de mundo objetivo. Todos os tomadores de decisão são afetados por essa visão. Todos olham para o mundo externo e pensam que dali podem gerar boas decisões. Mas eles estão sendo ingênuos. Não estão percebendo que tem um mundo interno configurando a visão que eles têm sobre as coisas. Outro exemplo: na semana seguinte à eclosão da crise financeira de 2008, todos estavam explicando como ela aconteceu. Quando o cenário externo muda, conseguimos traçar todo o passado. Instantes antes de ela acontecer, porém, estávamos tomando decisões de vida. Um minuto antes de o Titanic bater em um iceberg, as pessoas estavam tomando champanhe, as contas bancarias delas estavam ótimas. Então, estão melhores as pessoas que se prepararem para a surpresa.

Mas como alguém poderia se preparar para um acidente, como no caso do Titanic?

A premissa de todo mundo que está dentro do Titanic é a de que está tudo bem.

Sim. E qual seria a outra opção?

A outra opção é retornar àquela região de silêncio e olhar.



Literalmente?

Sim. Meditação. Um grande mestre japonês dizia: apenas sente. Quando a pessoa senta, todo o conjunto de referenciais e visões começa a acalmar. De repente, começa a ver as coisas de outro modo. Muda a perspectiva. Simplesmente por causa do silêncio. Nossa mente funciona por excitação. Se você não coloca elementos novos, naturalmente ela vai acalmando. Se sentarmos em silêncio, nós progressivamente ganhamos liberdade interna diante desses pressupostos. Conseguimos olhar de forma mais livre para as nossas realidades. Experimente acordar às duas da manha, sentar na cama e olhar em volta. Pergunte-se: “Como cheguei a esse lugar? O que estou fazendo aqui? Por que tem essa pessoa ao meu lado há tantos anos? Que vida é essa que construí?”. A pessoa presa no trânsito, indo para o trabalho, não consegue ter esse distanciamento. Precisamos sentar com a sensação de que não vamos fazer nada. Não é como fazer uma reunião de diretoria. É sentar aparentemente sem nenhum propósito.

Como transformar isso em uma atitude de trabalho, para tomar decisões de negócios?

O campo das organizações é parecido com o dos cientistas. Se eu estiver fechado nas minhas ideias, não consigo ir adiante na ciência, não tenho ideias novas. Quem estiver aferrado nas suas visões, ainda mais dentro de um ambiente supervolátil, vai ter problemas. Até porque agora temos um iceberg na nossa frente. É melhor entendermos isso.

Qual é o iceberg que temos na frente?

É um pouco a situação de São Paulo. Nós estamos com falta d’água, mas está tudo funcionando, não está? Há alguns meses, encontrei alguns gestores que trabalham nessa área e perguntei: quanto de água entra em relação ao quanto precisamos? Porque é uma questão de fluxo. Não se trata de quanto de água eu tenho ainda. Trata-se de quanto está entrando no sistema em relação ao quanto está saindo. Ele disse que entra 17% do que estamos consumindo. Esse dado é superimportante. No caso de uma empresa, não olhe para o seu balanço de pagamentos e pense que, porque ele está no azul, está tudo indo bem. Esse não é o ponto central. Há organizações deficitárias durante um longo tempo, que depois se tornam lucrativas, porque vão perseguindo uma visão vitoriosa. Mas elas levam tempo para se estabelecer. Do mesmo modo, pode parecer que a organização está indo bem, mas talvez já não esteja. Talvez ela já esteja saindo da perspectiva de lucidez.

O que significa “sair da perspectiva de lucidez”? Que outros indicadores deveriam ser levados em conta, na sua opinião?

Por exemplo, todas as organizações que trabalham produzindo coisas que não são úteis para as pessoas, que são contra a saúde, estão em um nível de perigo. Hoje estamos operando com códigos distorcidos. Não vemos os rios, vemos os “recursos hídricos”. É uma visão utilitária sobre as coisas. Não vemos pessoas. Vemos recursos humanos. Mas essa visão está se esgotando, porque, querendo ou não, são rios, mares, pessoas. Essa noção utilitária gera uma noção de lixo, de rejeito. No setor do petróleo, hoje estamos descobrindo muitas reservas de óleos combustíveis, mas temos um problema tão grande na atmosfera, que o óleo não vai poder ser queimado. A pergunta é: como vamos evitar que o óleo seja queimado?

De novo, vou usar São Paulo como exemplo. Se faltar água, a cidade vai parar – ou vai ter seu movimento bastante reduzido. Da mesma forma, se tivermos uma crise logística, o preço dos imóveis vai baixar e as pessoas que financiaram, de repente, estarão pagando algo que não vale mais. Então, deixarão de pagar. Com isso, os bancos quebram e o desemprego se amplia. Estamos cego diante dessas possibilidades. Mas, de repente, aquilo se choca e os problemas acontecem. Temos que olhar antes, nos posicionar antes.

As empresas hoje parecem muito mais atentas às questões de sustentabilidade, a políticas de prevenção de crises. Essas não seriam maneiras de se posicionar antes?

Não é suficiente. Em geral, as pessoas vão investindo e especulando até o último momento. Quando aconteceu o colapso de 2008, os mais de cem bancos americanos que quebraram, como os grandes Lehman Brothers e Goldman Sachs, tiveram que ser socorridos com o dinheiro público para poder retornar. No meio da crise, algumas pessoas especularam e ganharam fortunas. Tem que ter cuidado porque as próprias organizações podem ser canibalizadas pelos lucros de gestores. Houve gestores com salários aumentados, que ganharam bonificações nesses períodos, enquanto a população pagava a conta. Os tempos que estamos vivendo não são para uma administração que não tenha moralidade.

Seguindo seu raciocínio, o que vai significar, na prática, bater no iceberg?

Uma crise, mas vai haver também uma maior distribuição de renda, inevitavelmente. Será uma mudança política. Porque o problema não é causado apenas pelas empresas. É um sistema complexo. Hoje, os governos estão associados às organizações privadas. Eles viraram agentes das grandes corporações. Na política americana, tanto faz ser partido democrático ou republicado, porque ambos representam as grandes organizações. Nós pensamos que isso é democracia, mas não é. Quando vemos governos de primeiro mundo, como de países europeus, sem acolher os jovens desempregados do próprio país, isso significa que o bico do Titanic começou a bater.

Qual seria a atitude mais sábia nesse momento?

Nas minhas palestras em empresas, eu falo das cinco sabedorias budistas. São elas:

1. A capacidade das gerências irem até as pessoas. Quando isso acontece, a tendência é que todos sintam que estão no lugar certo.

2. A sabedoria da igualdade, de ficar contente também com as conquistas alheias. Isso traz a sobrevivência do próprio gestor. Porque até podemos operar ligados a um planejamento, metas e resultados, mas com o tempo vamos entristecer e ter vontade de fazer outra coisa. Porque isso não alimenta nosso mundo interno. Precisamos nos alegrar não somente com o nosso mundo particular, mas também com o de cada um da equipe. Assim, começa-se a viver uma vida espiritual.

3. Tudo é passageiro. É importante entender nossa própria vida de forma ampla, a partir do conceito da impermanência. Mesmo que façamos muitos esforços para chegar a um lugar, há um tempo em que cansamos daquilo.

4. Evitar ações negativas, que causam problemas aos outros. Essa sabedoria é crucial. Isso vale tanto internamente, e aí os departamentos de RH devem ajudar a evitar essas ações negativas, quanto externamente. Há organizações vendendo produtos que vão gerar problemas de saúde depois. Qual é o futuro da produção de alimentos contaminados? Em um tempo muito curto, esse tipo de solução vai afetar a imagem das empresas. É evidente que deve ser evitado.

5. A última sabedoria é a de que mesmo que tudo afunde, temos uma dimensão secreta de onde sempre podemos reconstruir tudo. Assim como a cidade de Hamburgo, na Alemanha, foi dizimada na segunda guerra mundial e se levantou do chão, todos nós temos essa capacidade de recriação. E isso é fundamental em tempos como os de agora, em que será preciso

Blog da Mulher Necessária: sara montiel - quiza,quizas,quizas

Blog da Mulher Necessária: sara montiel - quiza,quizas,quizas

Carinhoso


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

MARIA APARECIDA TORNEROS : La Paloma

MARIA APARECIDA TORNEROS : La Paloma: Tv

Blog da Cida Torneros: carnaval de Veneza 2015

Blog da Cida Torneros: carnaval de Veneza 2015: Último dia do Carnaval de Veneza, um carnaval a todos os títulos diferente e que evoca outros tempos e cos...



Pretinha e a ressaca do carnaval!



Avisem a minha gata Pretinha que hoje não  tem carnaval. Ela parece estar com ressaca.  Passamos 3 dias dentro de casa e vimos a folia pela televisão. 
Mas,
 como toda bruxinha tem sua gata negra.  Eu não  fujo a Regra.  Tenho outros bichanos aqui que tambem  estão  tirando Soneca. 
Minha Cara de sono não  engana.  Acordei e vi as notícias.  Logo mais vou ficar com mamãe.  Dormirei lá  porque  ela tem exames de sangue bem cedo amanhã. 
Por enquanto Pretinha  me faz companhia e o  carnaval  tem balanço  de alegria e descontracao. 
Vida mansa.  Muita meditação.  Oração também.  E Esperança  de dias melhores. 
O mundo está  de ponta cabeça.  Mas sigamos em frente. 
Cida Torneros 


O discurso PARA o Rei e Para a RAINHA

O discurso PARA o Rei  e Para a Rainha passa pela imaginação  da plateia.  Será?  Um rei  de  Copas pode ser um sudito  de Mini  campeonatos  que a gente aprende a disputar  pela vida. 

Senhoras  e Senhores,  distinto  publico,  aqui estamos para trazer umas palavras  de paz e Esperança. 


Nervos de aço


Marcha da quarta-feira de Cinzas


vinicius de moraesmarcha de quarta-feira de cinzas
Marcha de Quarta-Feira de Cinzas
Vinicius de Moraes


Acabou nosso carnaval
Ninguém ouve cantar canções
Ninguém passa mais
Brincando feliz
E nos corações
Saudades e cinzas
Foi o que restou

Pelas ruas o que se vê
É uma gente que nem se vê
Que nem se sorri
Se beija e se abraça
E sai caminhando
Dançando e cantando
Cantigas de amor

E no entanto é preciso cantar
Mais que nunca é preciso cantar
É preciso cantar e alegrar a cidade

A tristeza que a gente tem
Qualquer dia vai se acabar
Todos vão sorrir
Voltou a esperança
É o povo que dança
Contente da vida
Feliz a cantar

Porque são tantas coisas azuis
E há tão grandes promessas de luz
Tanto amor para amar de que a gente nem sabe

Quem me dera viver pra ver
E brincar outros carnavais
Com a beleza
Dos velhos carnavais
Que marchas tão lindas
E o povo cantando
Seu canto de paz
Seu canto de paz

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Elis Regina e a Bahia


Carnaval sem baiana? Não Pode!




As fantasias  de baiana sempre invadiram salões  e ruas no carnaval  do Brasil inteiro. 
As escolas de samba preservam suas alas das baianas porque Elas representam história  e ritimo  além  de conferir autenticidade a tradicao. 
Ai que saudades eu tenho da Bahia.  Amo aquela terra e sua gente. 
Salve a baianada  e sua influencia  na historia do Samba brasileiro. 
Axe e agua de cheiro na cabeça.  O que que a baiana Tem? 
Balangandan... Com certeza. 
Cida Torneros 



Maria Rita Festeja vitória da Vai-Vai


Maria Rita festeja a vitória da Vai-Vai em São Paulo


Maria Rita usa o Twitter para festejar a vitória da Vai-Vai no carnaval de 2015, em que fizeram homenagem para a sua mãe, Elis Regina: 'Não tô acreditando!!!"


A escola de samba Vai-Vai é campeã do carnaval 2015 na cidade de São Paulo. A agremiação conquistou o título no último quesito, Evolução, ultrapassando a Mocidade Alegre, com a qual vinha empatada durante a contagem dos votos. Vai-Vai levou para o sambódromo do Anhembi o samba-enredo inspirado na cantora Elis Regina.

Durante a apuração, a cantora Maria Rita, filha de Elis Regina, comentou com os seguidores do Twitter sobre as notas da escola. “Tô tremendo. Chama o Samu de novo, faz favor”, escreveu ela, relembrando o momento em que teve que deixar o desfile por ter passado mal. “Não to acreditando!!!”.

A apresentadora Ana Hickmann, que também desfilou pela agremiação paulista, fez a sua comemoração: "É NOSSO!!!!!! VAI VAI!!!!!! 15!!!!", disse ela, enumerando o 15º título da Vai-Vai.

A atriz Lucy Ramos declarou o seu amor à Vai-Vai. "A Bela Vista está em festa, qua qua ra qua qua, vem viajar a hora é essa. Que felicidadeeee!!! Que emoçãoooo!!! #VaiVai minha paixão é Campeaaaaa do carnaval 2015 Mas do que merecidoooooo. Foi lindo demaissss. Estreei com o pé direito"

Marcelo Tas também deu seu parabéns para a agremiação: "Parabéns rapaziada da #VaiVai E viva Elis Regina! #Campeã2015 #CarnavalSP"

César Filho: "#VaiVai, a grande campeã do Carnaval 2015 de São Paulo!!! Parabéns para a escola que fez uma linda homenagem a #ElisRegina!!! Parabéns a minha amiga e companheira no #HojeEmDia, #AnaHickmann!!! Vocês mereceram @ahickmann!!!!"

Blog da Cida Torneros: simplesmente Elis

Blog da Cida Torneros: simplesmente Elis

Elis e o samba da bencao


A romaria de Elis


Viva Elis Regina


Viva Elis, viva a Vai-Vai

Blog da Mulher Necessária: Ivete Sangalo - Escrito nas estrelas

Blog da Mulher Necessária: Ivete Sangalo - Escrito nas estrelas



Tributo a Wilza Carla, a grande esquecida dos carnavais





A vedete que se transformou  na d.  REDONDA da novela tem uma história  ligada a carnaval mas até  hoje não  virou enredo de escola.  Linda e exuberante foi esquecida.  Mas por mim,  jamais.  Seus desfiles  de fantasias originais me encantaram infância  e juventude.  Wilza Carla  nasceu em Niterói  e morreu em 2011  aos 75 anos em São Paulo.  Abandonada pela mídia  merece um tributo.  Era atrelado nas suas criacoes.
Vale conferir as fotos e torcer para que alguém  lhe faca justiça.



Wilza Carla
Nascimento 29 de outubro de 1935
Niterói
Nacionalidade  brasileira
Morte 18 de junho de 2011 (75 anos)[1]
São Paulo
Ocupação vedete, atriz e humorista
Atividade Atriz
Wilza Carla (Niterói, 29 de outubro de 1935 - São Paulo, 18 de junho de 2011) foi uma vedete, atriz e humorista brasileira.

Começou sua carreira artística como vedete no teatro de revista e como intérprete de papéis sensuais em filmes da era das chanchadas. Posteriormente, aproveitando o fato de que havia engordado bastante, celebrizou-se nos filmes do gênero "pornochanchada".

O grande momento de Wilza na televisão foi interpretando as personagens Dona Redonda e Dona Bitela, na novela Saramandaia, exibida em 1976 pela Rede Globo.[2] e reviveu a personagem na mini-novela Expresso Brasil em 1987. A última novela em que atuou foi A História de Ana Raio e Zé Trovão, de 1990, produzida pela extinta Rede Manchete. Foi também jurada em programas de calouros, em especial o de Silvio Santos. A Wilza Carla foi por muito tempo partícipe dos concursos de fantasias, concorria na categoria luxo feminino.

Sérios problemas de saúde, agravados pela obesidade, afastaram-na da carreira artística a partir da década de 1990. No final de sua vida, Wilza sofria de diabetes e do Mal de Alzheimer.

Wilza Carla morreu em São Paulo, cidade onde morou em seus últimos anos de vida, em decorrência dos males que sofria. Seu corpo foi trasladado para o Rio de Janeiro, onde foi sepultado no Cemitério do Casa. 

Uma história de amor com final feliz


Blog da Cida Torneros: seremos felizes

Blog da Cida Torneros: seremos felizes: Deixo o tempo me impregnar de espaço esburacado.  Um dia eu sabia que isso seria minha verdade mentirosa. Estar ao lado do parceiro largado ...

Blog da Mulher Necessária: The Three Tenors - Cielito Lindo - 1990

Blog da Mulher Necessária: The Three Tenors - Cielito Lindo - 1990

Blog da Mulher Necessária: Aguns poemas...

Blog da Mulher Necessária: Aguns poemas...


Aguns poemas...

Com o pouco que sobrou...

Maria Aparecida Torneros da Silva

... com o coração aos pulos em busca do grande amor...
...sobrou pouco, concluiu...
daquela menina de saias curtas e penteado à maria chiquinha...
talvez tenha sobrado o sorriso de canto da boca, a linguinha de pontinha de fora...
sobretudo, sobrou o brilho do olhar quando intenso fica ainda, ao imaginar a chegada dele...
...mas, como ele se camufla sempre, se veste de prateado, se ilumina e foge,
ela já se acostumou a não mais reconhecê-lo, a duvidar que ele exista de verdade...
... do pouco que sobrou, uma sensação adolescente teima em ser tema recorrente...
é quando o coração aos pulos, frenético e enganoso, busca no homem imaginário
o exemplo sonhado do grande amor que se esconde nalgum canto do universo...
aí, ela promete a si mesma, juntar o pouco que sobrou e transformar-se num grande tesouro...

Relação amorosa

tu és minha
eu sou teu...

prometeram-se

tu és meu...
eu sou tua...

desejaram-se

tu e eu
eu e tu

abraçaram-se

eu em ti
tu em mim

amaram-se

tu meu céu
eu teu sol

queimaram-se

eu tua luz
tu meu mel

inundaram-se

tua alma em mim
minha voz em ti

completaram-se

teu caminho é meu
minha estrada é tua

confundiram-se

tu estás distante
eu estou tão longe

procuraram-se

tu partiste
eu fiquei

eu me fui
tu ficaste

lamentaram-se

eu te lembro
tu me chamas

sou tua sombra
és minha saudade

buscaram-se

eu te quero
tu me buscas

reencontraram-se

sou teu porto
és minha âncora

casaram-se

eu te amo
tu me amas

somos tudo
se estamos juntos

assinaram um acordo
e viveram felizes para sempre...

( esse poema poderia chamar-se casamento,
mas batizei-o de "relação amorosa)
Aparecida Torneros


Amor desidealizado

Façamos um trato,
nada de amor idealizado,
este é o novo fato,
amor é só um ato
de uma grande peça
cuja estréia é imprevisível
cujo enredo é questionável,
e o ápice tem interrogações à bessa...
Façamos assim, com respeito,
pelo jeito de cada um de nós,
pelas histórias incompletas,
pelos desejos não realizados,
por cada senão que precede as metas,
porque amar com muito planejamento
pode parecer piegas, é só argumento...
Nada de esperar o óbvio ou antever o amanhã,
por mais que possa parecer que haverá,
depois não me importa, na verdade,
o que conta, realmente, é o momento...
O meu momento é de paz,
o seu, se não for de tormento,
pode até combinar com o meu...
Façamos amor como meninos aprendizes,
saboreemos o gosto dos nossos dedos,
não deixemos que se acelerem alguns dos nossos medos,
apenas soltemos tantos grilhões tão antigos,
não esperemos nem príncipes e nem cinderelas,
somos mulher e homem complicados
descompliquemos, pois,
fiquemos só nós dois,
em pelo,
com zelo,
tão nus quanto no nascimento
nus de alma,
nus de preconceitos
nus de expectativas...
Se nada acontecer que nos acrescente sentimentos
caso não nos permitamos abrir nossos descondicionamentos
pelo menos
teremos tentado
e tentar
já é um grande começo
isso não tem preço
amar sem idealizar
somente amar
ou por sexo
ou por nexo
de sentir-se
bem
bem melhor
bem com a presença do outro
bem porque sua risada soa felicidade
bem poquer seu olhar aquece em lealdade
e seu abraço rejuvenesce
pode não ser pra sempre
mas é tão bom
hoje e agora, aqui na nossa pele...
Façamos um acordo sem papel
um pacto sem sangue
tenhamos um descompromissado encontro
com o melhor de nós mesmos
para trocar boa energia
por sermos quem somos
livres e resolvidos
inteiros e destemidos
vamos evoluindo
um junto do outro
até quando for possível,
quando for tão forte e tiver sentido
nos vermos mais vezes
ou nos tocarmos mais profundamente
ou nos entregarmos nossas mãos
uma dentro da outra
e nossas bocas
perderem o dom da palavra
para que nossos corpos e almas
falem sua própria linguagem...
Façamos uma boa parceria
sem cláusual pétrea
revogável
a qualquer instante...
aí... tenhamos sorte...
disso sim,
vamos precisar...
e se a tivermos,
façamos um castelo
sem sonhos
mas com realidades
minhas e suas
sei que eu o quero
tanto quanto você me quer,
recomecemos do zero,
e seja o que o Diabo quiser...
Cida Torneros , 8 de junho de 2008





A poesia em mim eh forte sempre