Postagem em destaque

A Paz

domingo, 30 de novembro de 2014

Passion y dolor en la vida de Isabel Pantoja



Quero falar de Isabel Pantoja.  A cantora famosa de España  começou a cumprir há  uma semana  pena de dois anos em Sevilha.  Acusada por lavagem  de dinheiro  ilícito num processo  que durou sete anos teve sua condenação  decidida em 2013. Na verdade  o delito de desvio de verbas teve como personagem  principal o ex prefeito  de Marbella  Julian Munoz  por quem Isabel se apaixonou em 2003 e com quem rompeu já  há  alguns anos. 
 As dores de amor marcam a vida de Isabel. 
Em 1993 casou com o toureiro Paquirri que morreu atingido pelo touro na arena em 1984. 
As paixões  de Isabel  sempre renderam grande noticiário  pois as ex mulheres dos seus apaixonados foram destaque por lamentos e problemas.  A ex  de Munoz também  começou  a cumprir pena acusada no mesmo caso.  
Francisco Rivera o toureiro era casado com Cármen Ordonez  que já  é  falecida e tinham dois filhos hoje homens feitos que ainda brigam judicialmente com a artista pelos bens do pai.  Com Isabel ele foi pai do Kiko,    hoje cantor como a mãe.  
Logo depois da viuvez,  Isabel  adotou a pequena Chabelita  no Peru.  
O ex-prefeito  hoje preso Munoz ao se apaixonar  por Isabel deixou um casamento com filhos com Maite que durava 25 anos.  
Muitas histórias  sobre as dores e os amores de Isabel  tem sido  veiculadas pela imprensa  desde que começou  jovenzinha  sua brilhante  carreira. 

Sua paixão  pela música  não  ofuscou suas paixões  da vida e hoje ela diz  que está  a pagar por erros do passado.  Tem 58 anos e dois netinhos  que

Chabelita  e Kiko lhe deram. Enfrentará  um período difícil uma vez que declarou sofrer atualmente  de claustrofobia e depressão.  
Toda Espanha  ama sua arte. Ela canta e baila no palco com maestria.  Mas a vida é suas paixões  a embalam na dança  traiçoeira   do destino trágico.  Deus proteja Isabel  e que ela vença  o tempo e retorne aos palcos para alegria dos seus fãs  do mundo inteiro.  Inclusive eu. 
Cida Torneros 







Isabel Pantoja


Isabel Pantoja y su complicada vida desde que murió Paquirri
"Donde el corazón me lleve"…
Isabel Pantoja y su complicada vida desde que murió Paquirri
Dos amores frustrados, amistades peligrosas, problemas con sus hijos…

Manuel Román
"Si Paco no hubiera muerto yo sería ahora un ama de casa, que es lo que siempre quise". Son palabras pronunciadas por Isabel Pantoja, recordando su pasado, ahora que se cumplen treinta años de la muerte en Pozoblanco, un funesto 26 de septiembre de 1984, de Francisco Rivera Paquirri. Su matrimonio, tantas veces reflejado en las revistas y los programas televisivos del corazón, sólo duró diecisiete meses. Del que les nació un hijo, Francisco José (Kiko), fuente de algunos problemas para la cantante junto a los que asimismo le ha causado la niña adoptada por ella en Lima (Perú), que rebautizó con su mismo nombre y a la que se conoce como Chabelita.
Cuando un toro acabó con la vida del valiente Paquirri se suscitaron aviesos rumores acerca de su inestabilidad sentimental con Isabel Pantoja. Nunca pudo probarse que el torero quisiera por entonces romper su matrimonio. Sí que sabemos, porque así nos lo había dicho la pareja, que él pensaba retirarse de los ruedos al año siguiente, en la temporada de 1985, coincidiendo con sus veinte años de alternativa, en tanto ella también se veía abocada a dedicarse al hogar para acceder al deseo de su marido. Lo que ratifica la frase con la que hemos iniciado el presente escrito. Por mucho que le guste cantar, es mujer casera, a la que le ha costado siempre embarcarse en giras artísticas. Enlutada durante catorce meses los medios de comunicación la calificaron como "la viuda de España", hipérbole donde las haya, hasta que reapareció en noviembre de 1985 con ocasión de presentar su disco Marinero de luces.
A partir de entonces hubo de soportar una enorme presión informativa, perseguida continuamente por paparazzis ansiosos de fotografiar todos sus pasos. Las revistas del corazón pagaban a precio de oro imágenes de la estrella de la copla, quien no hacía declaraciones. Las primeras –y únicas– en su reaparición, en exclusiva para ¡Hola!, le reportaron ¡veinticinco millones de pesetas!, cifra jamás pagada hasta entonces en España por una entrevista. Escandalosa cifra que, incluso traducida al cambio actual, no ha sido –creemos- superada por ningún otro reportaje de parecidas características.
A continuación, la vida de Isabel Pantoja transcurriría sin problemas económicos, convertida en la cantante mejor pagada de España. Si su más directa rival, aunque buena amiga a pesar de los rumores en contra, Rocío Jurado, percibía por actuación ocho millones de pesetas, la sevillana superaría ese caché, elevado a doce millones. Hoy en día, pese a la crisis, se mueve en torno a los 60.000 euros, aunque a veces pueda rebajarlo, según las circunstancias.
Respecto a sus sentimientos, Isabel Pantoja pasó unos años de vida discreta, ocupada en su hijo, hasta que en 1990 vivió, a espaldas de la opinión pública, una fugaz relación con el actor José Coronado, galán de su película Yo soy esa, que ambos negarían, aunque tuvimos testimonios que la confirmaban, entre ellos el del responsable de prensa de la productora, quien no obstante –órdenes superiores– no sacó tajada publicitaria del asunto. Después, la cantante se echaría en brazos de un caballero de elevada estatura, a la sazón relaciones públicas del malagueño Casino de Juego de Torrequebrada, de nombre Diego Gómez, que más parecía su administrador y guardaespaldas que otra cosa. Entre ambos medió una discreta historia sentimental sin ribetes románticos que alimentaran las páginas de los semanarios del cuore. Revistas que se guardaron las ganas de publicar fotografías de "la reina de la copla" con la popular locutora Encarna Sánchez, que se había convertido en apasionada admiradora de la cantante, tan íntima que llegó a prestarle sin condiciones una elevada suma de dinero para que Isabel pudiera hacer frente a unas deudas contraídas en su finca La Cantora. La locutora amenazaba a algunos directores de esas revistas si se atrevían a insertar reportajes fotográficos de ambas: puedo al menos asegurarlo de una en concreto, para la que yo trabajaba. Amenazas que también hacía extensiva hacia los paparazzis que las perseguían en Marbella, donde pasaron juntas más de una velada.
Otra amistad peligrosa de Isabel Pantoja fue la que mantuvo con su colega María del Monte, a las que fotografiaron en la playa, aunque no salieran publicadas todas las imágenes de ambas, jugueteando con las olas del mar. Y pasado un tiempo prudente, el corazón de Isabel dio un vuelco cuando conoció a un antiguo camarero, reciclado en concejal del Ayuntamiento de Marbella, por nombre Julián Muñoz. Con él viviría una más que interesada, turbulenta y apasionada historia amorosa a partir de 2003, que a la postre sería su víacrucis. Fue su ruina emocional. ¿Económica también? Los hay que piensan que sacó tajada a su lado. Por harto conocido el culebrón renunciamos a seguir mencionándolo. Salvo para apuntar que, relacionada con el llamado caso Malaya en los tribunales, pasó varios años por un durísimo calvario, del que, multa elevada aparte, ha salido relativamente airosa hasta los acontecimientos de la última semana.
Isabel viene soportando infinidad de dolores de cabeza causados por su hijo Kiko, que le ha dado un nieto, y de su hija adoptiva, Chabelita, que también le hizo abuela de otro. Entre tanto, para afrontar su oscilante patrimonio –no está arruinada, ni mucho menos- mantiene este año su gira "Donde el corazón me lleve". El 28 de noviembre próximo presentará en el madrileño Palacio de los Deportes su nuevo espectáculo, "Hasta que se apague el sol", título del disco que ha grabado en México (estará en la calle en los próximos días, ya en octubre) con baladas y boleros de Juan Gabriel, autor que últimamente se repite demasiado. Hay en él dos temas a dúo con Kiko, uno de los cuáles, "Debo hacerlo", presentó hace poco en una gala televisiva. Esta irrupción musical de su hijo nos parece una mera anécdota, dada sus carencias interpretativas. A dos meses vistas del evento Isabel Pantoja confía en llenar ese coliseo, con capacidad para quince mil espectadores, a pesar de que, dado el caché de la estrella, las localidades no son precisamente baratas: oscilan entre cincuenta y doscientos cincuenta euros.
Setembro  de 2014.

ISABEL  ESTA PRESA HÁ  UMA SEMANA EM SEVILLHA ONDE CUMPRIRA  PENA DE DOIS ANOS POR LAVAGEM DE DONHEIRO DEPOIS DE UM PROCESSO DE SETE ANOS QUE CONDENOU SEU EX NAMORADA JULIAN MUNOZ  QUE É  EX PREPEITO DE MARBELLA.  A EX ESPOSA DE MUNOZ  TAMBÉM  MAITE  TAMBÉM  ESTA ENCARCERADA.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

No tempo em que os animais falavam

http://bahiaempauta.com.br/?p=103978

boa noite de sexta-feira





Blog da Mulher Necessária: The Way You Look Tonight !

Blog da Mulher Necessária: The Way You Look Tonight !




Namorar no mercado das flores





Arrumando as malas para 2015



Blog da Cida Torneros: Como 2014 chegou em Copacabana, em nós, naquela m...

Blog da Cida Torneros: Como 2014 chegou em Copacabana, em nós, naquela m...: A energia que pairava no ar da princesinha do mar já é minha velha conhecida. Na adolescência,  saía do subúrbio e passava oas fins d...

Blog da Mulher Necessária: Amores maduros

Blog da Mulher Necessária: Amores maduros

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Viva a Vida!






contra-ataque do amor: as voltas que o mundo dá

contra-ataque do amor: as voltas que o mundo dá: http://bahiaempauta.com.br/?p=101587

contra-ataque do amor: contra-ataque do amor: Paris, avec amour!

contra-ataque do amor: contra-ataque do amor: Paris, avec amour!: contra-ataque do amor: Paris, avec amour! : Amor tem lugar, talvez, tem vez, hora de suspirar, sonhar em francês!  Assim , quem sabe, o s...

contra-ataque do amor: Blog da Cida Torneros: Un jour tu ris un jour tu p...

contra-ataque do amor: Blog da Cida Torneros: Un jour tu ris un jour tu p...: Blog da Cida Torneros: Un jour tu ris un jour tu pleures

contra-ataque do amor: Um amor em Paris

contra-ataque do amor: Um amor em Paris: TUCUMAN DISTRIBUIDORA DE FILMES Início Tucuman Programação Em Cartaz Em Breve Catálogo Imprensa Contato ...

Blog da Mulher Necessária: Maria Figueroa - Señora

Blog da Mulher Necessária: Maria Figueroa - Señora

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Os guerreiros de Shao Lin


Blog da Mulher Necessária: Brasília, minhas redescobertas...

Blog da Mulher Necessária: Brasília, minhas redescobertas...

Mulheres e a Lua


Blog da Mulher Necessária: Benção Irlandesa e Oração Indígena

Blog da Mulher Necessária: Benção Irlandesa e Oração Indígena

Blog da Cida Torneros: Refletindo sobre as reflexões de sociedade(s) alte...

Blog da Cida Torneros: Refletindo sobre as reflexões de sociedade(s) alte...: Custei muito a assimilar que as alternativas são milhares e as escolhas decididas pelos mais poderosos no que tange à  vida em sociedad...

terça-feira, 25 de novembro de 2014

No dia da Não Violência contra a Mulher


No Dia da Não Violência contra a Mulher, ONU inicia ações de combate à opressão

Tweet
URL: 
Versão para impressão
25/11/2014 07h23Brasília
Helena Martins - Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto
Movimento feminista comemora em 25 de novembro o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher - Arquivo/Agência Brasil

Uma em cada três mulheres no mundo já sofreu violência física ou sexual, cerca de 120 milhões de meninas já foram submetidas a sexo forçado e 133 milhões de mulheres e meninas sofreram mutilação genital, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU).

Embora essas violações sejam comuns ao cotidiano de milhares de mulheres, muitas vezes elas se tornam invisíveis ou são tratadas como algo relativo à esfera familiar. Para romper esse silêncio, desde 1981 o movimento feminista comemora, com luta, em 25 de novembro, o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher.

Neste ano, a ONU Mulheres, organização das Nações Unidas dedicada à igualdade de gênero, iluminará o prédio da entidade em Brasília e também a sede principal, em Nova York, com a cor laranja. A iluminação é uma das atividades que serão promovidas de hoje (25) até o dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, no âmbito dos chamados 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero.

Representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman diz que a data contribui para a inserção da luta contra a violência na agenda política. “É uma data que tem sido importante para mobilizar tanto o governo quanto a sociedade civil e colocar na pauta dos meios de comunicação esse problema, que é muito grave entre as mulheres”, explica.

No Brasil, a programação é diversa. Hoje, no Rio de Janeiro, haverá exposição de grafite, oficina e roda de conversa sobre violência contra a mulher. Amanhã será a vez de um debate na internet sobre os compromissos assumidos pelos países para enfrentar a violência, além das políticas públicas para garantir os direitos das mulheres. Nos dias 26 e 27, serão realizadas oficinas e debates, em Brasília e João Pessoa, com juízes e outros operadores de Justiça sobre a adaptação do Protocolo Latino-Americano para Investigação das Mortes por Razões de Gênero à legislação brasileira. A programação seguirá em dezembro e pode ser conferida no site da ONU Mulheres.

A representante da organização no Brasil destaca que, neste ano, a campanha também alerta para o cumprimento da Plataforma de Ação de Pequim, cuja aprovação completará 20 anos em 2015. Fruto da 4ª Conferência Mundial sobre a Mulher, a plataforma listou 12 áreas de trabalho, como Mulheres e Pobreza e Mulheres e a Mídia, e apontou ações concretas que deveriam ser desenvolvidas pelos países signatários para promover a igualdade de gênero.

Em relação à violência, considerava que essa violação “constitui obstáculo a que se alcance os objetivos de igualdade, desenvolvimento e paz”, nos termos da declaração. Quase 20 anos depois da aprovação do texto, mais de dois terços dos países aprovaram leis contra a violência doméstica, em decorrência das propostas elaboradas em Pequim, segundo a ONU. As leis, contudo, não têm sido cumpridas a contento, na avaliação da organização. Além disso, o objetivo de “prevenir e eliminar todas as formas de violência contra as mulheres e meninas” segue distante.

“Há toda uma questão da prevenção da violência contra as mulheres que tem a ver com os estereótipos de gênero e as relações entre homens e mulheres, além das leis, políticas e planos, os quais têm que ser formulados. Também é preciso ter recursos, tanto humanos quanto financeiros [para sua implementação]”, diz Nadine.

Fale com a Ouvidoria
TAGS
mulher
não violência
ONU Mulheres



segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Sorrindo





Blog da Mulher Necessária: Por Amor -Sergio Dalma con Carmen París

Blog da Mulher Necessária: Por Amor -Sergio Dalma con Carmen París

Blog da Mulher Necessária: Julio Iglesias Live (French Medley) TV

Blog da Mulher Necessária: Julio Iglesias Live (French Medley) TV

Blog da Mulher Necessária: Sara Montiel Biografia

Blog da Mulher Necessária: Sara Montiel Biografia

Blog da Mulher Necessária: Portugal, saudades, lembranças, descobertas...

Blog da Mulher Necessária: Portugal, saudades, lembranças, descobertas...

Blog da Mulher Necessária: Quem sabe faz a hora, não espera acontecer...

Blog da Mulher Necessária: Quem sabe faz a hora, não espera acontecer...

Blog da Cida Torneros: Muita luz meditação e reflexões

Blog da Cida Torneros: Muita luz meditação e reflexões: A noite de sexta-feira  chegou assim.  Em mim.  Com menos dores e as lembranças  do ET.  Que personagem  iluminado e sonhado...



Maria Aparecida Torneros: A resposta do meu terapeuta

Maria Aparecida Torneros: A resposta do meu terapeuta: Viva a maturidade, querida! Obrigado pela emoção do seu texto, nesta manhã de domingo. Obrigado. Seguimos em frente, ligados por laços de ...

Meninas





Chapéus




Nu u
Maracanã 

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Mulheres, mulheres ( crônica que abre o livro A Mulher necessária)



Mulheres, mulheres, mulheres 





Um amigo me disse que gostaria de ter todas as mulheres do mundo. Tentei compreender. Um sonho masculino de possessividade ou um desejo consumista ou até um impulso incontrolável, pensei. Mas, sabendo que é um homem maduro, quarentão, concluí, talvez precipitadamente, que é uma atitude adolescente, de buscar , conquistar, obter, caçar, ou seria um atributo biológico do macho procriador a tentar garantir a prole, perpetuar a espécie, ainda que inconscientemente?

Mulheres, somos de tantas espécies, e acabamos metidas num mesmo caldeirão cultural, submetidas em histórias de machismo e opressão, mas não é verdade que isso nos aconteça a todas. Há as modernas, avançadas nos séculos, independentes financeiramente e com emoções racionalizadas. As que aprenderam a comportar-se como eles, e também querem ter todos os homens do mundo. Como os predadores, elas conquistam e abandonam, escolhem, usam e largam no meio do caminho os tais homens que ainda pensam que todas são iguais.


Mulheres, somos de tantas origens, e entrelaçadas em costumes ou medievais ou estritamente sensuais, ultrapassando as barreiras das religiões ou códigos de costumes. As que se libertaram dos próprios medos e perseguiram o sucesso profissional, que abriram mão da maternidade, que dispensaram o casamento.


Mulheres, somos de tantas loucuras e tantos amores, de tantos ideais e de tantos preconceitos, somos tão diferentes, e no entanto, nos parecemos tão iguais, aos olhos dos homens desavisados.


Um homem que deseja ter todas as mulheres do mundo, as têm no sonho, evidentemente, e nem sempre as consegue ter, nem uma parcela delas, de verdade. Porque se as conseguem atrair para a cama, nem sempre levam junto suas almas, e na maioria das vezes, conhecem seus corpos e sexualidade. Mulheres enganam demais os homens, fingem se submeter enquanto dominam, dissimulam desproteção ao passo que se garantem na sobrevivência e ainda, lhes somam as estatísticas, com um tempo de vida média mais extensa que a dos homens, que parecem cuidar-se menos fisicamente ou desgastarem-se mais rapidamente. 



Mulheres, somos de tanta viuvez, de tantos abandonos, de tantas solidões, mas somos um bando que atravessa o tempo, e carregamos tal mistério de bruxas, ou no coração, ou no entre-pernas, ou nos olhos, nas bocas e nos braços, que nem mensuramos o quanto somos diversas e tão parecidas, sejamos jovens ou senhoras, gordas ou magricelas, altas ou baixotinhas, há em nós uma aura de impressionante expressão. 



Meu amigo tem razão. É preciso desejar todas e tentar ter algumas, talvez conseguir uma em profundidade, para perder-se dentro dela, e conhecer uma de nós, verdadeiramente. 


Aparecida Torneros



--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário: